PALCOS

Colaborações, Adaptações & Apoio à dramaturgia

 

 

 

 

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

2022

 

As Estrelas Que Hoje Vemos Já Morreram Há 100 Anos

 

de Rita Delgado e Diana Narciso

 

 

Maria é mãe de Joana, Joana é mãe de Olívia, Olívia é mãe de Maria.

Aqui, as leis da Física cruzam-se com a Ficção e operam de maneira insólita: Espaço e Tempo reorganizam-se perante a força exercida pela dinâmica relacional gerada entre estas três mulheres, convidando-nos a reflectir sobre laços maternos, intimidade, individualidade, ciclos e interdependência.
Somos feitos da mesma matéria: partilhamos com as estrelas 97% do mesmo tipo de átomos. Se quando olhamos para o céu vemos o passado, será que também o podemos ver em nós? A minha identidade comporta a identidade da minha mãe?
E a da minha filha?

Maria é filha de Olívia, Olívia é filha de Joana, Joana é filha de Maria.

 

 

Criação: Diana Narciso E Rita Delgado
Interpretação: Diana Narciso | Matilde Jalles | Rita Delgado
Apoio Dramatúrgico: Joana Bértholo
Cenografia e Figurinos: Joana Subtil
Sonoplastia e Composição Musical: Pedro Melo Alves
Desenho De Luz: Diana Dos Santos
Vídeo: Temper. Creative Agency
Produção: Sofia Estriga

 

Fotografias de Bruno Simão.

 

 

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

2021

 

Bem Essencial

 

PERCURSO PERFORMATIVO

 

 

Percurso pelas ruas e os recantos da cidade para celebrar o livro enquanto bem essencial. A intenção é a de criar uma comunidade efémera de leitores caminhantes, bem como um texto comum, tecido por todos. Trata-se de uma experiência performativa pluridisciplinar para participar com um amigo, em família ou sozinho.
A experiência oferece-se aos seus participantes da mesma forma que um longo romance se oferece aos leitores: tem diferentes capítulos, abordagens e ritmos, ao longo de uma tarde de vagueio com paragem em sete “livros”: o livro-plástico, o livro-bomba, o livro-linha, o livro-respiração, o livro-sombra, o livro-corpo e o livro-máquina. À chegada a cada livro, sempre ao ar livre, os participantes recebem instruções relativas ao que irá acontecer.

O percurso inclui ainda dois “capítulos” que decorrem em espaços interiores, Ki Kre Txeu e Enquanto tento fundir-me, a premissa.

Ki Kre Txeu é um concerto falado em cabo-verdiano, um convite para redescobrir a lírica camoniana como traduzida pelo poeta José Luiz Tavares. Apresenta-se na Fundação José Saramago e inclui sonetos tão reconhecíveis quanto “Amor é um fogo que arde sem se ver…” (Amor é un lumi ki ta sende i ki ta odjadu) e outros menos conhecidos.

O espetáculo Enquanto tento fundir-me, a premissa, é uma antestreia do solo de Maria Varbanova inspirado em Água Viva de Clarice Lispector, um texto singular que não tenta contar uma história mas captar o instante, o presente, a essência da linguagem e da vida. Como a dança o faz. A captura revela-se, no entanto, impossível. Sem narrativa, tanto livro quanto dança fazem formas surgir e desaparecer.

 

 

Criação e direção artística Madalena Victorino e Pedro Salvador;

Coordenação literária Joana Bértholo;

Coordenação plástica Rosário Pinheiro;

Coordenação coreográfica e assistência artística Alice Duarte;

Interpretação musical Abuka, Alexandre Moniz, Miguel Gonçalves, Ruca Rebordão, Rui Alves, Rui Galveias, Tatiana Lima;

Produção executiva Melani Afonso;

Produção Inês Melo, Matilde Real.

 

 

 

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

2021

 

YOLO

 

de Sara Inês Gigante

 

Decidi fazer este espetáculo depois de um telefonema com a minha mãe. Falava com ela sobre a minha impotência. Mais concretamente, falámos uma hora sobre formas de eu poder ter uma casa própria. A solução mais viável, e também uma das que sempre me impressionou mais por várias razões, seria a de comprar um terreno nos arredores de Lisboa, e comprar uma casa pré-fabricada. Percebi que o que parecia ser a solução mais viável estava ainda longe de ser viável. Ou talvez não… Acabámos o telefonema e fui procurar terrenos na internet. Depois, fui pesquisar sobre casas pré-fabricadas, os seus preços e as suas características. Depois, fui pesquisar como se pede um crédito de habitação. Depois, fui pesquisar se os bancos me emprestavam dinheiro para isto. Depois, fiz contas. Depois pensei. Pensei muito. Depois, decidi que ía fazer este espetáculo. E claro, voltei a ligar à minha mãe.

 

 

com
Lia Carvalho
João Estima
Gonçalo Carvalho
Apoio à dramaturgia: Joana Bértholo
Apoio no processo criativo: João Nunes Monteiro
Cenografia: Fernando Ribeiro
Desenho de Luz: Manuel Abrantes
Sonoplastia: Gonçalo Carvalho

 

 

efeitokuleshovGIF

2019

 

Para Vós

 

de Cláudia Andrade

 

 

De que forma é que a nossa relação com o passado forma o que somos a cada presente? E os mais velhos, aqueles que se lembram dos tempos que o tempo insiste em enterrar, e das histórias que já ninguém mais conta? E essas histórias, correspondem ao que realmente aconteceu, ou àquilo que é cómodo lembrar?

O espectáculo “Para Vós” nasce de um manancial de perguntas como estas. É uma história para tocar outras histórias. É a história do tempo, a história da memória. É a nossa história. É também a história de Cláudia Andrade, da sua avó Alice e da sua avó Maria, duas mulheres que de formas díspares desenham o curto espectro de possibilidades para ser mulher naquele tempo, esboçam um passado colonial (a avó Alice era de Goa e passou por Moçambique, a avó Maria nunca saiu de Canelas), e vincam a desigualdade entre a vida dos que tinham meios e a dos que não tinham.
Esta é a narração de uma história particular, íntima, irrepetível, para tocar na história comum, a de todos nós.
É também uma viagem que fala de muitas outras viagens. A estrutura narrativa clássica e a presença do coro neste espectáculo levam-nos de volta à Grécia antiga, há 2500 anos. Sempre que se evocam as origens do teatro para falar das nossas origens, sempre que uma mulher se pergunta acerca de si própria para falar de todos nós, recuperamos o oráculo de Delfos, inscrito no templo de Apolo – «conhece-te a ti mesmo». Podes conhecer-te sem saber quem foram os teus antepassados?

 

 

Criação e Direção Artística Claudia Andrade
Interpretação Claudia Andrade e 8 séniores
Apoio à Encenação Montse Bonet
Apoio à Dramaturgia Joana Bértholo
Implementação do Projecto São Correia
Direcção de Produção Safira Ramos
Vídeo e Registo Fotográfico Patrícia Poção
Assistência Artística Mafalda Alexandre
Banda Sonora Fernando Mota
Desenho de Luz Cláudia Rodrigues
Figurinos Ruy Malheiro

 

 

efeitokuleshovGIF

2019

 

À Babuja / By The Sea

 

de João de Brito 

 

 

Num dia soalheiro, um homem larga a sua rotina e, inspirado por um livro de aventuras, dá largas ao cavalo da imaginação. Este cavaleiro dos tempos modernos precisa de um co-piloto, de uma dama nobre a quem arrebatar com uma serenata e de inimigos. Um Dom Rodrigo e um medronho também não lhe cairiam mal.

Dois actores e um músico dão corpo a este épico algarvio, temperado com o melhor que o Algarve tem. Estar «à Babuja» significa muita coisa e uma delas é estar à beira – das pessoas certas.

 

com João de Brito, André Canário e Igor Martins.

Apoio à dramaturgia: Joana Bértholo

Sonoplastia: Igor Martins
Cenografia e Adereços: Carla Martinez e Isabelle Yvonne
Figurinos: José António Tenente
Consultoria artística: Catarina Requeijo e Yola Pinto
Fotografia e Vídeo: Diogo Simão
Produção executiva: Lélia Madeira
Produção: LAMA

Estrutura financiada pela DGArtes/República Portuguesa e apoiada pelo Município de Faro.
Projecto financiado pelo 365 Algarve.

 

 

efeitokuleshovGIF

2018

 

Lusco-fusco

 

de Filipe Caldeira e Catarina Gonçalves

 

 

Público-alvo

crianças 6 a 10 anos

 

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Direcção e Interpretação: Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira
Apoio à Dramaturgia: Joana Bértholo
Direcção Plástica, Cenografia e Apoio à Dramaturgia: Rita Westwood
Sonoplastia: Filipe Lopes
Figurinos: Jordann Santos
Desenho de Luz: Carin Geada
Produção: Sofia Reis
Agradecimentos: Constança Carvalho Homem e Amora Gonçalves Caldeira.

 

Co-produção:
Teatro Municipal do Porto, São Luiz Teatro Municipal, Comédias do Minho, Circular Associação Cultural, Teatro Aveirense
Produção executiva: Circular Associação Cultural

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

2017

 

O Olhar de Milhões

 

de Raquel Castro

 

 

É o maior cruzeiro do mundo e está prestes a levantar âncora em direção ao infinito azul. Desenganem-se aqueles que pensam que se trata apenas de mais um navio de cruzeiro. As características do Olhar de Milhões conferem-lhe o estatuto de um mega resort flutuante – o maior da Europa – e o único capaz de proporcionar a derradeira experiência, ilimitada e total. Para além das aclamadas atrações Ultimate Abyss, Fetiche Arena, Wind Tunnel, Chemical Enhanced Racing, Mummy`s Milk Shot, Full Communication Zone, há novidades para todos os perfis, a não perder. Porque só se vive uma vez.

 

Concebido e dirigido pela encenadora Raquel Castro, O OLHAR DE MILHÕES enfrenta o tempo presente, operando sobre temas como o consumo, o vício, a alienação, o excesso de informação, o primado do imediato, o aborrecimento. É um dos espetáculos resultantes do programa de estímulo à criação artística nas áreas do teatro e da dança promovido pela Rede 5 Sentidos. Um programa que visa proporcionar aos artistas selecionados condições de trabalho mais generosas do que as ditadas pelo “mercado de trabalho artístico” e mais favoráveis à consolidação da linguagem artística dos criadores nacionais.

 

Com

Anaísa Lopes, David Marques, João Villas Boas, Marco da Silva Ferreira, Teresa Coutinho

 

Texto de

Joana Bértholo a partir de improvisações dos intérpretes

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

fotografias de Jen Brow / vídeo de Tiago Leão

2016

 

Estação Terminal [Companhia Limitada]

 

Alguém para alguém. 

 

 

Direcção artística

Madalena Victorino

Pedro Salvador

 

Madalena Victorino e Pedro Salvador debruçam-se mais uma vez sobre o tema da solidão, nesta que é a terceira parte da trilogia Companhia Limitada. Nas edições anteriores, este projeto levou espetáculos à casa de pessoas que vivem isoladas, levou a atenção de vários públicos a recantos abandonados da cidade, e volta agora a tentar “reinventar a solidão” buscando-a no universo da margem, do excesso, da noite, do travestismo e da festa.

“Quando se trabalha em continuidade um tema como este, é preciso saber reinventá-lo, olhá-lo de fora, virá-lo do avesso”, explicam os autores deste trabalho que orbita em torno de interlocutores específicos, convidados especiais nos quais se baseiam as narrativas.

Esta edição da Companhia Limitada vai começar na rua e vai tentar trazer para dentro do Teatro os ambientes envolventes. O edifício do D. Maria II torna-se uma plataforma de passagem onde cabe a estação, a praça, e a constante circulação que o envolve. Antes de confluir numa celebração única do palco, experimentam-se outros palcos – pelos corredores e espaços menos habitados do Teatro.

 

 

conceito, narrativa e coreografia Madalena Victorino

dramaturgia Joana Bértholo

interpretação e cocriação André Amálio, Patrick Murys, Pedro Salvador, Ricardo Machado, Susana Madeira, Joana Guerra, convidados especiais vindos da rua, do comboio, da escola, do mundo noturno lisboeta, do mercado de vendedores africanos e de outros países…

figurinos Marta Carreiras

desenho de luz e direção técnica Joaquim Madaíl

imagem Jen Brown, João Tuna

música Pedro Salvador, Joana Guerra

consultoria artística Annie Greig

direção executiva Marta Silva / LARGO RESIDÊNCIAS

produção executiva Raquel Fernandes / LARGO RESIDÊNCIAS

estagiária Catarina Barros

participação especial Duarte, Giacomo Scalisi, Hugo Correia, Joana Gomes, José Carlos Dias (Giovanni), Luís Godinho, Matias Pinto, Mia Distonia, Nelson Ferreira, Marcos Medeiro, Susana Vilar

guias Clara Antunes, Susana Alves, Carina Martins, Rita Sales, José Luís Costa, Juliana Fernandes, Celine Tschachtli, Ana Rita Dias, Alice Duarte, Marta Jardim, Mariana Pereira, Catarina Barros, Mariana Portocarrero

coprodução TNDM II

efeitokuleshovGIF

2016

 

Sola

 

uma itinerância

 

 

Direcção artística

Marta Chasqueira

 

Estar sozinho é muito diferente de estar só.”

Sola é um espectáculo de dança que, a partir do flamenco tradicional, nos vem falar de um percurso. O do amor-próprio. Sola é também, e por isso, uma declaração de amor. De um amor maior, que atravessa os corpos e não se personifica em nenhum, ou que habita todos. Fala da aprendizagem vital de estar bem consigo, aquela que dissolve toda e qualquer solidão. Mesmo, e sobretudo, quando a sós. Fala de encontros e desencontros e de ser a cada dia um bocadinho mais genuína, mais a mulher que se é, sola. Sola soa ainda a uma metáfora da própria vida, apresentando-se como um vinco definitivo na carreira a solo da bailarina e coreógrafa Marta Chasqueira.

 

Marta Chasqueira é acompanhada por Laura Castro (voz), Carlos Mil-Homens (percussão), Juantxin Osaba (guitarra clássica); o texto (de Joana Bértholo) é narrado por José Neto; encenação e dramaturgia de António Rodrigues.

efeitokuleshovGIF

2014

 

LIS+BU [Companhia Limitada]

 

uma itinerância

 

 

Direcção artística

Madalena Victorino

Pedro Salvador

 

 

em co-criação com

André Amálio, Filipe Moreira, Patrick Murys e Ricardo Machado

 

música

Pedro Salvador com Emanuel Soares, Joana Guerra e Yaw Tembe

 

Por muitos visitantes que receba, e recebe cada vez mais, Lisboa continua rica em facetas inexploradas. Esta peça, apesar de contar a história de uma passagem, vai directa ao coração da cidade: onde esta está só. Quando a Companhia Limitada, na sua segunda edição, se debruçou sobre o tema da solidão nas crianças, viu-se a desfiar um novelo de solidões. Ao puxarmos esse fio veio imensa gente – outras crianças, homens adultos, gente do bairro, estudiosos, pessoas que não falavam a nossa língua, e pessoas à procura de um novo idioma.

Por muitos visitantes que receba – e recebe cada vez mais – nenhuns são como estes. Os Bú – assim se chamam – são atletas do espanto, força que exercitam vigorosamente. Buscam uma cidade só, com vazios onde inserir a sua alegria, as suas danças, a sua história, os seus costumes. A Lisboa, os Bú vão chegar devagarinho. Como é seu hábito.

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

 

2013

 

Companhia Limitada

 

Direcção artística

Madalena Victorino

Pedro Salvador

 

 

A Companhia Limitada, na presente edição, debruçou-se sobre o universo de seis pessoas – o David, a Dona Alice, a Dona Cidália, a Dona Lurdes, a Jú, e a Dona Piedade – e para cada um deles concebeu um espectáculo individual.

 

 

Interpretação e co-criação: André Amálio, Catarina Ribeiro, Cláudia Andrade, Patrícia Pereira, Raquel Castro, Sylvie Rocha
Música: Pedro Salvador, Rui Galveias e Patrícia Pereira
Vídeo: Maria Joana Figueiredo
Fotografia: Hélène Veiga Gomes
Textos e dramaturgia: Joana Bértholo
Produção: Teresa Miguel
Convidados especiais: David Abreu, Piedade Nazaré, Maria de Lurdes Carvalho, Maria de Jesus Ramos, Alice Silva; (cicerones): Martim de Freitas, José Rocha, Maria Vitória Freire, Lídia Duarte, Célia Fortes e Encarnação Gomes
Apoios: Orçamento Participativo – Câmara Municipal de Lisboa
Parcerias (agradecimentos): Centro de Dia da Sé, Centro de Dia Maria Madalena (Intendente), Centro de Dia S. Cristóvão e S. Lourenço – Santa Casa da Misericórdia, Sport Clube do Intendente, Grupo de Excursionista e Recreativo da Casa dos Amigos do Minho.

 

efeitokuleshovGIF
efeitokuleshovGIF

2011

 

Havia

 

a partir do livro de contos

Havia, histórias de coisas que havia e de coisas que väo havendo

 

de 2 a 10 de julho 2011

em Belo Horizonte, Brasil

Teatro João Ceschiatti

 

Direção

Kenia Dias e Ricardo Garcia

 

Fotos

Paulo Lacerda

Rubens Rangel